Notícias

Hackers do PUBG são presos e multados por trapaças na China

Playerunknown's Battlegrounds - Jogo eletrônico

1.57KVisualizações

Trapacear em jogos on-line é, praticamente, uma tradição. Alguns jogadores criam a capacidade de atirar através de paredes, outros encontram uma forma de voar, tornando-se quase invencíveis.

 Ninguém gosta de ser enganado, seja pelos amigos, pelo governo, pela namorada… já pensou ser trapaceado em jogos online?
 Amantes do queridinho PlayerUnknown´s:Battlegrounds, passaram por essa situação na China.

Veja Também :  Google Play premia os melhores aplicativos de celular

 Mas o país mais populoso do mundo não deixou isso barato não, literalmente! 15 pessoas foram presas e multadas por facilitarem trapaças no PUBG. As multas chegaram a 30 milhões de yuans, o equivalente a 16 milhões de reais.

Hackers do PUBG são presos e multados
Hackers do PUBG são presos e multados

 Os trapaceiros teriam fornecido ferramentas para os “cheaters” com programas que permitiam burlar as proteções antitrapaça do game. Mas, não trata-se de apenas uma artimanha para se dar bem no jogo, foi muito mais sério do que um simples truque de gamer. As ferramentas fornecidas pelos presos também carregavam um trojan chamado Huigezi que, de acordo com autoridades responsáveis, criava uma porta nos fundos no computador que poderia ser usada para analisar e roubar informações da vítima. Ou seja, a velha crença de que usar programas ilegais podem entregar dados das pessoas foi confirmada.

[addthis tool=”addthis_relatedposts_inline_fh30″]

Veja Também :  Google lança sistema operacional para internet das Coisas

 A PUBG Corp, empresa que cuida do jogo se pronunciou e promete melhorar as medidas de segurança e soluções antitrapaças. Deixam claro também sua opinião sobre a comercialização desse tipo de produto ilegal: “Desenvolver, vender ou usar programas não-autorizados para trapacear ou hackear no jogo não é apenas injusto, mas em muitos lugares também contra a lei”. A empresa garante que tem coletado informações sobre os desenvolvedores desses hacks e tem trabalhado com diversos parceiros e autoridades na tentativa de fazer justiça.

 Tony Ray, fundador da Even Balance responsável pelo Punkbuster, um programa de detecção de trapaças afirma que sempre tem alguém para burlar as regras e que a tendência é que esse tipo de postura tende a evoluir como os crimes: “O que eu sempre disse foi que isso vai se desenvolver da mesma forma que o crime”.

 Mais de 1,5 milhões de jogadores foram banidos do PUBG durante o jogo por utilizarem hack até dezembro do ano passado, segundo a BattleEye, empresa responsável por fornecer soluções antitrapaça para o PlayerUnknown´s:Battlegrounds.  Número que, hoje, com os últimos acontecimentos deve ser maior.

Letícia C.
the authorLetícia C.
Redatora e Jornalista

Deixe uma resposta